View it, code it, jam – unlock it


O título deste texto é o trecho de uma música do Daft Punk chamada Technology. Ela remete ao senso de fazer muitas coisas em um tempo curto, de maneira automática. Fazer agora e rápido. É uma chamada para agir.

No começo dos anos 2000, a linguagem de programação .NET estava nos seus primeiros passos. Até aquele momento, era comum encontrar programas feitos com Visual Basic 6.0 ou ASP. Olhando para trás, fica a pergunta de como era possível se desenvolver sistemas em um ambiente tão limitado.

Coisas que parecem simples hoje em dia, como campos autocomplete, eram praticamente impossíveis, fazendo com que o desenvolvedor tivesse que gastar tempo tentando resolver isto. Como tempo é algo limitado e existe muita pressão por entrega no departamento de TI, este tipo de atividade era quase sempre deixado de lado.

Felizmente o .NET cresceu e se popularizou. O conceito de LINQ substitui as Store Procedures, o AJAX trocou o trabalho pesado em JavaScript e o Webservice trocou o EDI (ou parte dele). Parece simples agora, mas não foi.

Seria como se um músico tivesse que se preocupar com o lugar onde tocar a música, com a montagem dos equipamentos, afiná-los etc. Depois, quando já estivesse cansado, aí sim focaria em criar e tocar música, o que deveria ser seu foco desde o começo.

Está certo que todos devem saber um pouco sobre tudo, mas não em uma escala tão grande quanto esta.

Recentemente a Microsoft lançou uma nova ferramenta chamada Apps for Office and Sharepoint. Ainda está funcionando de maneira inicial (beta), mas mostra que a companhia quer ajudar os desenvolvedores a focarem no que eles fazem melhor. Criar!

Embora ainda existam muitas dúvidas sobre a efetividade de tal ferramenta, como atendimento de requisitos de sistemas, ela amplia o caminho para aqueles que querem resolver problemas simples utilizando tecnologia.

Todo este progresso que a informática vem fazendo traz uma mensagem clara. Não existem mais desculpas para inovar de maneira simples com a chance de se ganhar dinheiro. Mais do que nunca está nas mãos dos desenvolvedores decidir entre evoluir ou ficar parado nos velhos paradigmas.

Talvez o mundo esteja seguindo para uma outra música do Daft Punk; Harder, Faster, Strong, mas isto já é tema para outra conversa.


Categorias: Tecnologia da Informação