Termos usados na navegação e manobra de embarcações


Atracação: Ato ou efeito de um navio atracar num porto ou terminal privativo, a fim de realizar a operação de carregamento e
descarregamento de mercadoria.

Desatracação: Ato ou efeito de afastar a embarcação do cais ou de qualquer local em que ela esteja atracada.

Praticagem: É um serviço de auxílio ao navegante, disponível em áreas onde existem dificuldades ao livre e seguro trânsito de navios. São locais próximos de terra, nos quais navega-se em meio a perigos e ao tráfego regional, sob influência de amplo leque de variáveis locais, tais como: ventos, estado do mar, marés, correntes marinhas, visibilidade, entre outras. No Brasil o uso da praticagem é compulsória para a entrada e saída de navios nos portos.

Prático: O prático é um profissional habilitado pela Marinha do Brasil e que possui o conhecimento das águas em que atua, com especial habilidade na condução de embarcações, devendo estar perfeitamente atualizado com dados sobre profundidade e geografia do local, o clima e as informações do tráfego de embarcações. É também o responsável pelo controle e direcionamento dos rumos de uma embarcação próxima à costa, ou em águas interiores desconhecidas do seu comandante.

Bacia de Evolução: Local instalado previamente nas proximidades do cais, dotado de dimensões e profundidades adequadas, cuja finalidade é fundear e manobrar as embarcações. A exigência de raio deste local é de uma vez e meia o tamanho do navio manobrado. Isto é, se a embarcação tem 250 metros de comprimento, a bacia de evolução deve ter um raio de pelo menos 375 metros.

Calado: Profundidade mínima necessária para a embarcação flutuar sem perigo de encalhe. Cada porto tem seu calado máximo estabelecido, considerando quantos centímetros de água são necessários abaixo da quilha do navio, para que o mesmo navegue em segurança. O calado ainda varia de acordo com a maré – a maré cheia aumenta a condição de calado para a manobra do navio – e das condições de densidade da água e do clima da região de manobra da embarcação. Já o calado necessário para o navio, depende da tonelagem de carga a bordo e também da configuração de construção do navio.

Rebocador: É um barco projetado para empurrar, puxar e rebocar barcaças ou navios em manobras delicadas como atracação e desatracação. Rebocadores são caracterizados por ter pequeno porte, motores potentes e alta capacidade de manobra. Tem uso compulsório no Brasil e grande parte das situações são empregados dois rebocadores para a manobra de um navio. Dependendo do tamanho do navio e condição de manobra, podem ser exigidos três rebocadores com maior potência.


Categorias: Cabotagem, Marítimo de Longo Curso

Tags: