Posts para » custos

O contêiner: solução e problema!

No intuito de levar mais detalhes ao leitor a partir do texto o contêiner não está na condição para o próximo embarque essa caixa é essencial para o transporte marítimo internacional e de cabotagem – em contêiner. Muitas vezes ele não está no local certo, na hora certa, no tipo certo e ainda na condição adequada de uso. Porém, desde os anos 60, vem abrindo portas no comércio internacional. santos-brasil-tecon-santos2

Muito dinheiro é gasto pelo armador na logística do contêiner vazio. E, sob a ótica do dono desse ativo imprescindível, quanto mais viagens a mesma unidade fizer ao longo do ano gerando fretes, melhor.

Quem está na navegação e vivenciou algumas crises, sabe que já houve um tempo em que taxas de reposicionamento de contêineres foram cobradas. Na condição atual de desequilíbrio entre importação e exportação no Brasil, não seria surpresa se armadores passarem a cobrar por serviços como deixar um contêiner na condição de padrão alimento. Leia mais…


Transporte de mercadorias e de informações, ou nos (re) encontraremos no ano de 2021*

Faz pouco tempo e está na cabeça de muita gente, que para transportar bastava  indicar  a origem-destino da mercadoria,  apresentar um documento  fiscal  (ou declaração de procedência e conteúdo) para que a remessa fosse  realizada.

Quanto custa transportar? Depende do prazo, da distância, do peso e do valor da mercadoria, mais ou menos nessa ordem.  O prazo é o fator que mais pesa no frete. Transport&Tecnology

No Brasil mais de 60% do transporte é rodoviário.  Há quem diga que essa proporção é ainda maior. Mas existe unanimidade quanto a afirmação de que transportar no nosso país  custa caro. Quem embarca mercadorias para capitais ou cidades de regiões metropolitanas faz comparativos com outros países e diz que é apenas 30% mais caro.

O transporte porta-a-porta (dispensa explicações) é composto de uma etapa de coleta, transferência e entrega no destino.  Existe a estimativa do prazo  e uma operação   que se chama tracking (do inglês: seguimento/rastreio) se encarrega de apresentar o prazo exato. Leia mais…


Entregas não realizadas custam milhões*

Transporte é atividade essencial  para todos os segmentos econômicos e fazer isso de forma rápida é um desafio permanente.  A maneira de medir a eficiência das entregas é estabelecer o prazo para cada evento e acompanhar o seu cumprimento.  Person pushing hand truck across floor of warehouse

A contratação de fretes inclui um indicador de performance  conhecido como SLA (do inglês, Service Level Agreement )  ou acordo  do nível de serviço celebrado entre embarcador e transportador. Além do prazo de entrega se inclui no SLA a  qualidade dos serviços indicada pelo percentual de entregas realizadas com  sucesso ou das ocorrências indicativas do  insucesso dessa operação.

Essa taxa de insucesso ou de impontualidade nas entregas é conhecido como “ocorrência” .  Muitos  conhecem ocorrência como tudo aquilo que interfere na entrega.  Em tempos de avanços tecnológicos o preenchimento do comprovante DACT-e (documento auxiliar do conhecimento de transporte eletrônico)  tem sido gradualmente substituído por mensagens de celular, o que antecipa a informação mas não dispensa o cumprimento de seu preenchimento. Leia mais…


A menina dos olhos agora também no porto de Santos

Em junho de 2012, no texto  a cabotagem vai virar a menina dos olhos,  falava-se do potencial da cabotagem  nos terminais portuários do sul do Brasil visto a entrada em operação do Porto Itapoá e investimentos da Santos Brasil no porto de Imbituba.

Passados quase dois anos está notório o crescimento do Porto Itapoá, a participação de mercado, ainda que lenta, do porto de Imbituba e aumento dos volumes do complexo portuário de Itajaí. Nota-se ainda, o declínio momentâneo da movimentação de contêineres em Paranaguá.

fernao-magalhaes-9603221-PPYZ--52072dwt-3868teus-maiden-call-tc3-14-09-13-1 copy

Crédito de imagem: Aliança, navio Fernão Magalhães

Sabe-se que o mercado cresce no seu ritmo e o aumento de capacidade, notada na região sul, também está presente em Santos com a entrada em operação da BTP e Embraport e é visível  a redistribuição de volumes entre os terminais. O reflexo disso está evidente na queda de volumes da Santos Brasil no primeiro trimestre de 2014.

Visto a característica dos volumes por cabotagem, de menor geração de receita para o terminal, em momentos de demanda maior que oferta de espaço, a cabotagem era preterida. Situação essa entendível do ponto de vista da melhor custo benefício na alocação dos recursos disponíveis. Leia mais…


Sobre-estadia: 6 considerações para evitar este custo na importação

Que se pronuncie o importador que inclui no custo da importação a eventual sobre-estadia, ou demurrage de contêiner.

Não é incomum a incidência de demurrage de importação. Por isso, considere:

  1. Negociar  o prazo livre junto com o frete de importação.
  2. Conhecer  os valores diários cobrados após o prazo livre. US$ 100 a menos na tarifa podem ser consumidos em dois dias a mais de demurrage por contêiner.
  3. Acompanhar o processo de importação desde a origem e ter os documentos e processo em ordem para agilizar a nacionalização.
  4. Fazer  uma inspeção da condição externa do contêiner antes de tirá-lo do terminal portuário.
  5. Devolver  o contêiner limpo de resíduos e no local indicado pelo armador.
  6. Manter seus registros e documentos da devolução.

Dependendo do tráfego de origem, os prazos livres podem variar significativamente . Entenda-se por prazo livre o tempo em dias e sem custo de sobre-estadia,  para que a unidade seja devolvida ao local indicado como depósito de contêineres vazios do armador. Na maioria das vezes são as práticas concorrenciais que definem o tempo livre e também o valor da diária cobrada após o vencimento do prazo livre estabelecido. Os prazos livres mais generosos estão no tráfego da Ásia, de onde vêm os maiores volumes de importação e onde ficam entre 25 e 30 dias, a partir da descarga. Leia mais…


Transporte marítimo: caros, ineficientes e com 15% de crescimento ao ano

A pesquisa CNT do Transporte Marítimo 2012 traz um importante e vasto detalhamento de informações sobre o transporte marítimo no Brasil. Ela foi elaborada sob a visão das agências de navegação do país, empresas que vivem o dia a dia do modal.

Faz-se aqui uma avaliação da atividade para o segmento de cargas conteinerizadas nos tráfegos internacionais e de cabotagem.

Em 2011, o crescimento do PIB brasileiro em 2,7%, e  crescimento global de 3,9%, tivemos uma alta da tonelagem de carga conteinerizada embarcada da ordem de 9% e descarregada de 16%. Em teus, unidade equivalente a um contêiner de 20 pés, o crescimento médio foi de 15% tanto para exportações quanto para importações. Em teus, o total de exportações pelos portos brasileiros foi de 3,2 milhões e importações de 3,4 milhões, portanto próximo ao equilíbrio. A cabotagem, representa um número adicional ao redor de 300 a 400 mil teus anuais.

Dos mercados mais significativos em volumes, na exportação houve crescimento de 27% para a Ásia, 8% para o Norte da Europa, e 23% para o Caribe e Golfo do México e 7% para os Estados Unidos e Canadá. Na importação, entre os mercados mais expressivos o maior crescimento foi da Ásia com 39%, Norte da Europa com 11% e Estados Unidos e Canadá com 9%. Leia mais…


Sobre-estadia ou demurrage de contêiner: como prevenir este custo

Quando o contêiner usado no transporte de uma importação não é devolvido ao seu dono – o armador – no local especificado e no prazo livre de demurrage acordado, ele gera um valor diário de sobreestadia de responsabilidade do consignatário da carga, nomeado no conhecimento de transporte marítimo.

Para entender esta cobrança, deve-se considerar o contêiner, onde o produto importado é acondicionado para o transporte seguro, como a utilização de um armazém. O produto fica armazenado nele até sua nacionalização e a armazenagem em outro local ou entrega para o comprador final.

Portanto o contêiner (ou a caixa) é, por assim dizer, a matéria-prima de trabalho do transportador marítimo internacional de cargas conteinerizadas. Sem esta caixa, não é possível  realizar novos transportes. Por isso a sua disponibilidade, livre de custos, é limitada a alguns dias após a descarga no porto brasileiro. Leia mais…