Posts para » Ferroviário

Nelson Rodrigues e o Contestado

Por Egídio Antônio Matorano, economista. Publicado em Notícias do Dia 24/07/2014.

Nelson Rodrigues criou a expressão “complexo de vira-lata” na derrota diante do Uruguai, na Copa de 50. Ele dizia: “O Brasil possui um sentimento voluntário de inferioridade em em relação ao resto do mundo”. Diagnóstico que pode ser remetido ao sentimento de muitos catarinenses em relação aos dois projetos ferroviários: Leste-Oeste e Litorânea.  martorano

Uma expressão eufêmica também adequada é “fogo amigo”, pois além dos pessimistas, muitos “conterrâneos” alardeiam supostas distorções dos referidos projetos, o que tem postergado a licitação do *EVTEA da Leste-Oeste, com recursos garantidos em mais de R$ 80 milhões – uma lástima!

Enquanto isso o Paraná, de forma uníssona e articulada apresentou uma solução moderna para a sua ligação com o mar, mais de uma década após a primeira versão da catarinense, e com possibilidade de vingar.

Sem uma mudança de atitude talvez tenhamos uma reedição da Guerra do Contestado, e desta vez, apesar de não haver subtração de território, seremos derrotados na batalha da competitividade. Leia mais…


A sustentabilidade logística começa pelo bolso

Os fatos mostram que na logística existe uma preocupação com a sustentabilidade ambiental e social, mas ela é movida, preponderantemente, por aspectos econômicos. Observe,  por exemplo a matriz de transportes brasileira e compare esta a países de dimensões continentais como os Estados Unidos e China.  Dentre eles, o Brasil é o único que tem 60% das cargas movimentadas no modal rodoviário.

A intenção de tornar a matriz de transportes brasileira mais equilibrada com maior distribuição dos volumes nos modais ferroviário e  aquaviário, é justificada nas características do território nacional, na racionalidade energética  e incapacidade de construção de estradas.

Os percentuais em cada modal nos Estados Unidos e China, são indicadores da sua distribuição e em ambos os casos, o uso da ferrovia e do transporte aquaviário são mais representativos. A escolha do modal se dá pela eficiência energética, consideradas as características de seu território e recursos disponíveis. Leia mais…


A vocação brasileira para uma matriz de transportes competitiva

Os gurus da administração falam da importância de reforçar as competências, ou seja, aquilo em que se é efetivamente bom,  e tornar isso uma vantagem competitiva.  Levando em consideração  a vocação do Brasil na área de transportes, tem-se a possibilidade de fazer mais e melhor com a alocação racional de recursos nos modais mais eficientes e econômicos.

O governo vem apresentando metas de planejamento de longo prazo no trânsito e transporte brasileiro, como a redução em 50% de acidentes e mortes nas estradas até 2020, e, de acordo com o Plano Nacional de Logística e Transportes do Ministério dos Transportes (PNLT),  a redistribuição da matriz de transporte para obter maior equilíbrio entre os principais modais para 2025.

Há sempre o risco de ver o copo meio vazio,  mas tomando o copo meio cheio,  é possível visualizar algumas oportunidades para o transporte de cargas no longo prazo. Leia mais…